OrtoBio - 2016 - Todos os direitos reservados

Create By EADesigns

DANÇAS CIRCULARES

 

 

A origem 

O movimento intitulado Danças Circulares nasceu com o bailarino, coreógrafo e pedagogo de dança, alemão/polonês, Bernhard Wosien quando, em 1976, a partir de sua pesquisa com as Danças Folclóricas e Étnicas da Europa Oriental, iniciada em 1952.

A Dança Circular ou Dança dos Povos, é o resgate de uma prática ancestral de vários países e culturas. Portanto, não se trata de invenção dos tempos modernos. Pelo contrário, é apenas o resgate de uma prática muito antiga e profunda, vestida para os tempos atuais.

Em todas as tribos e em todas as épocas, a Dança Circular fez parte dos rituais de suas comunidades. O círculo, símbolo universal da unidade, tendo muitas vezes como centro o fogo ou objetos sagrados como talismãs e flores, representava o espaço da comunidade para celebrar rituais de passagem como nascimento, casamento, morte e outros momentos importantes da vida humana.

 

 

 

No Brasil começou em 1984, através de Sara Marriot, ex-residente da Fundação Findhorn, na Escócia, e vem se espalhando com muita força em todos os Estados formando rodas nos mais diferentes espaços de convivência: parques, instituições privadas, órgãos públicos, universidades, escolas, hospitais, presídios, abrigos e qualquer lugar que tenha seres humanos precisando de paz e calor humano. 

 

A dinâmica 

A dinâmica das Danças Circulares é simples. Ensina-se o passo, treina-se em roda, depois se dança a música e aos poucos os participantes começam a internalizar os movimentos, e daí surgindo a soltura do corpo, a quietude da mente e das emoções e, finalmente, a unidade consigo e com o grupo.

As danças podem ser simples e de fácil aprendizado, não tendo necessidade de experiência anterior para participar desses círculos. Mas para quem já dança há mais tempo existem danças mais sofisticadas. 

 

Coletânea 

As músicas escolhidas para nossos encontros no Instituto Ortobio, são de muitos países e as danças podem ser tradicionais, regionais, folclóricas ou contemporâneas. Serão abordadas danças dos povos, tradicionais de cada país, como Grécia, Turquia, Israel, Japão, Escócia, Líbano, Itália, Holanda, Rússia, Macedônia etc, e ainda danças contemporâneas (coreografias dos melhores focalizadores nacionais e internacionais), cirandas brasileiras, danças indígenas, cirandas infantis, danças de floral de Bach; ou seja, um rico e inesgotável repertório de danças a ser treinado. 

 

Indicações e benefícios 

São indicadas para pessoas de qualquer idade, raça ou profissão, auxiliando o indivíduo a tomar consciência de seu corpo físico, acalmar seu emocional, trabalhar sua concentração e memória e, principalmente, entrar em contato com uma linguagem simbólica, que embora acessível a qualquer um, não é utilizada no dia a dia.

O principal enfoque na Dança Circular não é a técnica e sim o sentimento de união de grupo, o espírito comunitário que se instala a partir do momento em que todos, de mãos dadas, apoiam e auxiliam os companheiros.

 

Segundo pesquisas, as funções e os benefícios das danças circulares são:

  • Trazer leveza, alegria, a beleza, a serenidade e bem estar.

  • Proporcionar o trabalho em grupo, sem a perda da individualidade.

  • Desenvolver o apoio mútuo, a integração, a comunhão e a cooperação.

  • Trazer a musicalidade para a vida diária.

  • Equilibrar o corpo físico, a esfera mental e a emocional.

  • Amplia a percepção, concentração e a atenção, conduzindo a um estado contemplativo (quietude da mente).

  • Encoraja as pessoas a ocuparem o seu lugar e o seu espaço.

  • Ajuda a combater o estresse e a depressão.

 

Focalizadora

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Jhale Jamal

Bailarina, professora de dança do ventre e dança circular.

  • Facebook Social Icon
  • Instagram ícone social